FEIRA DE NEGÓCIOS NÃO É (E NUNCA SERÁ) ENTRETENIMENTO.


Encantado com o avanço da internet, em 1999 eu criei a EXPO VIRTUAL, que entrou em operação no ano 2000 e os promotores de feiras tradicionais caíram de pau em cima de mim. Investi o valor de um apartamento para desenvolver uma plataforma simples, objetiva e facílima de navegar para ir direto ao ponto que interessa: colocar vendedor e comprador frente a frente e demonstrar o produto. Simples assim.

Nunca fui tão atacado profissionalmente. Chamaram-me de maluco, visionário, idiota e nem lembro mais do quê, ou prefiro não lembrar (minha mente é seletiva quando se trata de insultos...). Os grandes promotores da época puxaram tanto o meu tapete, combateram tanto o projeto que tive de abortar a missão e engolir o prejuízo.

Bem, passados mais de vinte anos e, por conta de uma pandemia, e somente por conta dela, eis que os promotores de feiras saem correndo atrás de ferramentas para virtualizar suas feiras. E todos aqueles argumentos que eu lhes apresentava há 20 anos e que foram rechaçados, agora são por eles utilizados como “ferramentas sensacionais”.

Estar na vanguarda nunca é confortável. Encontra-se mais resistência do que apoio. Mas agora eu irei inverter essa relação de vinte anos atrás. Vou lembra-los que nada, absolutamente nada, se compara ao evento presencial no qual podemos livremente utilizar os cinco sentidos e conquistar o que de mais precioso existe no mundo negócios: CONFIANÇA.

Eu nunca defendi a realização de feiras virtuais, nem mesmo quando desenvolvi a primeira plataforma brasileira para esse fim. Eu defendia naquela época e continuo defendendo hoje é que as feiras precisavam ser virtualizadas para que o evento não morresse depois de três dias e só ressuscitasse no ano seguinte.

De lá para cá fui consolidando minhas pesquisas em um universo de milhares de expositores e de visitantes das feiras e me “apropriei” de um conceito denominado CAUDA LONGA que foi criado em 2004 por um autor norte americano chamado Cris Anderson, e muito difundido especialmente para vendas no varejo. Apropriei-me do conceito para poder demonstrar que grande parte das vendas potencialmente geradas em uma feira de negócios são efetivamente fechadas em um prazo elástico que pode estar entre semanas, meses ou até mesmo anos após o contato inicial havido na feira. Vai depender, é claro, do ciclo de venda do produto ou do serviço em foco.

E aí, para reforçar essa minha reflexão, o CEIR | Center for Exhibition Industry Research, um instituto norte americano sem fins lucrativos que realiza pesquisas para a indústria das feiras de negócios, apresentou uma ampla pesquisa que mostrava, na época, por volta de 2006, que 63% das vendas iniciadas nas feiras eram concluídas em média seis meses depois da feira realizada.

Uau! Não é que meu pensamento estava no caminho certo?

Como sou insistente, voltei aos promotores de feiras aqui do Brasil com essas informações para defender minha crença de que as feiras precisavam ampliar sua vida útil para poder gerar mais resultados para os seus expositores. De novo chutaram meu traseiro...

Agora, com a água batendo na... Porta... vários desses promotores buscaram aconselhamento sobre como virtualizar suas feiras. Ótimo, antes tarde do que nunca, diz o ditado que nossos tataravós já verbalizavam.

Só que as potenciais soluções para essa nova demanda foram transferidas para as empresas de tecnologias. E aí é que a coisa fica complicada. Tecnologias permitem coisas fantásticas. Tecnologias hoje disponíveis que empregam realidade virtual, realidade ampliada, 3 D, e o escambau a quatro, buscam, ainda que bem intencionadas, fazer um arremedo de visitação a uma feira e as necessidades reais ficam relegadas a segundo plano ou até não são contempladas.

O que essas plataformas precisam mesmo é encontrar os melhores caminhos tecnológicos para manterem o vendedor e o potencial comprador cara a cara, com uma comunicação ágil e humana, entre eles, não entre avatares. E, em escala que possa gerar um funil de conversão de vendas viável.

Quem está no mundo dos negócios sabe muito bem que a moeda mais valiosa hoje é o tempo. E ninguém tem essa moeda sobrando para ficar horas plugado em salas de vídeo ou em passeios que mais se assemelham a um game de entretenimento. O mundo dos negócios exige agilidade e objetividade. Exige comprometimento e confiança que alimentam um ao outro.

Vejo números revelados por alguns realizadores dessas feiras virtuais que mostram milhares de acessos, milhares de visualizações, milhares e milhares de cliques. Só não vejo números sobre as vendas efetivamente geradas e sobre o potencial de negócios futuros. Serão esses promotores os seus próprios canibais? Serão esses promotores capazes de enterrar seu modelo de negócio presencial e optar pelo modelo digital?

Muita calma nessa hora, gente. Uma coisa é unir o poder do meio digital com a força dos eventos presenciais, outra, completamente diferente, é avalizar aquilo que parte das empresas de tecnologia muito desejam, que é transformar a vida humana em uma “SECOND LIFE”, como se os contatos humanos face to face fossem absolutamente desnecessários.

Há um meio termo possível e viável nessa demanda. Alguns já até estão próximos desse caminho. Mas é fundamental que nós, humanos, possamos ter bem claro, que digital é meio, digital é ferramenta, digital não é robotização do ser humano e muito menos, sequestro da plenitude de uso dos cinco sentidos.

Vamos encontrar o caminho certo, o equilíbrio, em algum momento. Não podemos pensar em soluções que só levem em conta que está todo mundo em isolamento. Em algum momento a vida plena retorna e esse mundo de dinheiro investido em algumas dessas soluções irá pelo ralo porque as pessoas voltarão a priorizar aquilo que lhes é mais essencial: o relacionamento humano.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2023 by Rede Feiras  |  Informações: +112369-6702 | 11 97694-1334 | fernando@redefeiras.com.br